domingo, 3 de abril de 2016


DOMINGO DA MISERICÓRDIA



Esse domingo é chamado de domingo da misericórdia, também estamos vivenciando o ano da misericórdia instituído pelo Papa Francisco. Sobre a misericórdia ela pode ser aplicada em diversas realidades, à todas as pessoas e aos erros e pecados que cometemos. Porém, gostaria de falar sobre a misericórdia em um de seus aspectos, o qual o Papa Francisco deu à todos os padres do mundo nesse ano santo da misericórdia a concessão de retirar a excomunhão e dar a absolvição sacramental em casos de ABORTO provocado àqueles que o realizaram ou que colaboraram de alguma forma para que ele ocorresse. Também se enquadra aqui o uso da PÍLULA DO DIA SEGUINTE.

O aborto é um pecado gravíssimo e que leva à excomunhão da vida sacramental e da própria Igreja. Excomunhão essa que é latae sententiae, ou seja, automática, não precisando que ninguém tome conhecimento ou que seja declarada por ninguém. Porém, a excomunhão, apesar de muitas vezes incompreendida, é um ato medicinal da Igreja para que a pessoa perceba a gravidade de seu erro e assim volte atrás, arrependa-se e busque o perdão e a reconciliação.

Uma vez retirado o vínculo de excomunhão e recebida a absolvição sacramental a pessoa está novamente admitida à comunhão da Igreja e à comunhão sacramental, porém, é convidada à um processo de conversão.

Nesse domingo da Misericórdia, conclamo que aqueles e aquelas que colaboraram ou realizaram esse ato, aproveitem para recorrer ao perdão divino por meio do sacramento da confissão e voltem novamente à plena comunhão com Cristo e com a Igreja.

Assim diz-nos João Paulo II: “Com a autoridade que Cristo conferiu a Pedro e aos seus Sucessores, em comunhão com os Bispos — que de várias e repetidas formas condenaram o aborto e que, na consulta referida anteriormente, apesar de dispersos pelo mundo, afirmaram unânime consenso sobre esta doutrina — declaro que o aborto direto, isto é, querido como fim ou como meio, constitui sempre uma desordem moral grave, enquanto morte deliberada de um ser humano inocente. (...) Tal doutrina está fundada sobre a lei natural e sobre a Palavra de Deus escrita, é transmitida pela Tradição da Igreja e ensinada pelo Magistério ordinário e universal” (João Paulo II, Encíclica “Evangelium vitae”, n. 62).

Para aqueles que se arrependem existe esperança, mesmo depois de nossos erros, existe perdão e salvação mesmo depois de nossos pecados.

QUE A MISERICÓRDIA DE CRISTO ENVOLVA A TODOS NÓS E NOS DÊ NOVO ÂNIMO EM NOSSA CAMINHADA DE VIDA E DE FÉ!


Att. Pe. Murah Rannier Peixoto Vaz

sábado, 25 de outubro de 2014



Um trecho do artigo do Pe. Luiz Carlos Lodi (quem não o conhecer, procure no google por ele), um dos maiores defensores da vida no Brasil e grande estudioso da Bioética:


"O Partido dos Trabalhadores (PT) defende algum atentado contra a lei moral?

Sim. No 3º Congresso do PT, ocorrido entre agosto e setembro de 2007, foi aprovada a resolução “Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais”, que inclui a “defesa da autodeterminação das mulheres, da descriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público”[4].

4. Todo político filiado ao PT é obrigado a acatar essa resolução?

Sim. Para ser candidato pelo PT é obrigatória a assinatura do Compromisso do Candidato Petista, que “indicará que o candidato está previamente de acordo com as normas e resoluções do Partido, em relação tanto à campanha como ao exercício do mandato” (Estatuto do PT, art. 128, §1º[5]).

5. Que ocorre se o político contrariar uma resolução do Partido como essa, que apoia o aborto?

Em tal caso, ele “será passível de punição, que poderá ir da simples advertência até o desligamento do Partido com renúncia obrigatória ao mandato” (Estatuto do PT, art. 128, §2º). Em 17 de setembro de 2009, dois deputados foram punidos pelo Diretório Nacional. O motivo alegado é que eles “infringiram a ética-partidária ao ‘militarem’ contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a respeito da descriminalização do aborto”[6].

6. O PT agiu mal ao punir esses dois deputados?

Agiu mal, mas agiu coerentemente. Sendo um partido abortista, o PT é coerente ao não tolerar defensores da vida em seu meio. A mesma coerência devem ter os cristãos não votando no PT.

7. Mas eu conheço abortistas que pertencem a outros partidos, como o PSDB, o PMDB, o DEM…

Os políticos que pertencem a esses partidos podem ser abortistas por opção própria, mas não por obrigação partidária. Ao contrário, todo político filiado ao PT está comprometido com o aborto.



8. Talvez haja algum político que se tenha filiado ao PT sem prestar atenção ao compromisso pró-aborto que estava assinando…

Nesse caso, é dever do político pró-vida desfiliar-se do PT, após ter verificado o engano cometido.


9. Houve políticos que deixaram o PT e se filiaram ao Partido Verde (PV). Os cristãos podem votar neles?

Infelizmente não. Ao deixarem o PT e se filiarem ao PV, eles trocaram o seis pela meia dúzia. O PV é outro partido que exige de seus filiados a adesão à causa abortista. Seu estatuto diz: “São deveres dos filiados ao PV: obedecer ao Programa e ao Estatuto” (art. 12, a )[7]. E o Programa do PV, ao qual todo filiado deve obedecer, defende a “legalização da interrupção voluntária da gravidez”[8].


10. Que falta comete um cristão que vota em um candidato de um partido abortista, como o PT?


Se o cristão vota no PT consciente de tudo quanto foi dito acima, comete pecado grave, porque coopera conscientemente com um pecado grave. O Catecismo da Igreja Católica (n. 1868) ensina sobre a cooperação com o pecado de outra pessoa: “O pecado é um ato pessoal. Além disso, temos responsabilidade nos pecados cometidos por outros, quando neles cooperamos: participando neles direta e voluntariamente; mandando, aconselhando, louvando ou aprovando esses pecados; não os revelando ou não os impedindo, quando a isso somos obrigados; protegendo os que fazem o mal.” Ora, quem vota no PT, de fato aprova, ou seja, contribui com seu voto para que possa ser praticado o que constitui um pecado grave.


PT: Partido ou Religião?


Quando um cidadão encontra o Partido dos Trabalhadores, encontra um tesouro. Vale a pena vender tudo para comprar o campo onde o tesouro está enterrado. O PT não é o melhor dos partidos políticos. É o único partido verdadeiro. Os outros são simulacros de partido.


A alegria de ter encontrado a verdade, faz com que o cidadão, para filiar-se ao PT, renuncie a tudo. Uma vez filiado, ele não terá mais direito de escolher seus candidatos. Seu dever será “votar nos candidatos indicados” pelo Partido. (Estatuto do Partido dos Trabalhadores, aprovado em 05/10/2007, art. 14, inciso VI). Se for candidato a um mandato parlamentar, deverá reconhecer expressamente que o mandato não é seu, mas que “pertence ao partido” (art. 69, inciso I). A obediência ao Partido é sagrada. Está acima de tudo: de suas opiniões pessoais, de suas convicções, das reivindicações dos eleitores. Só em casos extremamente excepcionais, o parlamentar poderá ser dispensado de cumprir as ordens do alto, para seguir sua consciência ou o clamor dos que nele votaram (art. 67 § 2º).


Com alegria o filiado pagará anualmente uma contribuição proporcional ao seu rendimento (art. 170). Se ocupar um cargo executivo ou legislativo, a contribuição não será anual, mas mensal, obedecendo a uma tabela progressiva (art. 171 e 173). Mas a alegria de ser filho do verdadeiro Partido faz com que todas essas imposições pareçam leves.


Dentro do Partido, zela-se não só pela unidade (“que todos sejam um”), mas pela uniformidade. Frações, públicas ou internas ao Partido, são expressamente proibidas (art. 233 §4º). No entanto, os filiados podem organizar-se em “tendências” (art. 233). Estas, porém, estão submissas às decisões partidárias e ao encaminhamento prático do Partido (art. 238). Nenhum filiado poderia, por exemplo, organizar uma tendência para combater o “casamento” de homossexuais ou a legalização do aborto, que são bandeiras do Partido. As tendências não podem ter sedes próprias (art. 235 “caput”), não podem reunir-se com não-filiados (art. 235 §3º) e não podem difundir suas posições fora do Partido (art. 236 §1º). Mesmo que uma tendência deseje publicar documentos seus contendo posições oficiais do Partido, está proibida de fazê-lo (art. 236 §2º). O petista submete-se a todo este mecanismo de controle, ciente de que o Partido sabe o que faz.


Se sou vereador e o Partido me proíbe de propor um projeto de lei pró-vida, não tenho motivo para reclamar. O Partido deve ter suas razões. Se sou senador e cabe a mim a tarefa de emitir um relatório sobre um projeto de aborto, eu, por fidelidade ao PT, não posso manifestar-me contra a proposta. Devo agradecer ao Partido por ele, benignamente, permitir que eu passe o encargo de relator a um colega abortista. Se sou deputado federal e o Partido manda que eu me ausente de uma sessão deliberativa, onde meu voto, contrário ao aborto, atrapalhará a aprovação de um projeto, a resignação será minha melhor atitude.


Tudo isso e muito mais vale a pena. Pois todos os outros partidos são comprometidos com as oligarquias, com o neoliberalismo, com a classe dos opressores, e não dão importância aos pobres, aos excluídos, aos marginalizados, aos explorados, aos sem voz e sem vez. Pertencer ao PT é uma glória tão grande que justifica qualquer custo.


Se sou petista, pouco me importa que Lula e Fidel Castro tenham fundado em 1990 o Foro de São Paulo para fortalecer a ditadura cubana, após a queda da União Soviética.


Se sou petista, não quero saber por que durante anos nenhum parlamentar petista, desde a mais humilde Câmara Municipal até o Senado Federal, ousou propor um projeto de lei antiabortista. Nem me interessa questionar a punição de dois deputados que ousaram apresentar propostas legislativas pró-vida.


Se sou petista, pouco me importa que Dilma Rousseff defenda a legalização do aborto como “questão de saúde pública”[9]. Muito menos que Dilma e Lula tenham assinado em dezembro de 2009, o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, que defende a descriminalização do aborto, o reconhecimento da prostituição como uma profissão, a união civil de pessoas do mesmo sexo e a adoção de crianças por duplas homossexuais[10].


Aliás, o bom petista jamais chegaria até esta linha do artigo. Muito antes já teria parado a leitura por considerá-la perigosa à fé que ele tem no Partido.


Agora, uma pergunta final, com vistas às eleições de outubro: pode um cristão votar no PT? Só há um jeito: trocar sua Certidão de Batismo pela Certidão de Petismo. Duas religiões antagônicas não podem coexistir num mesmo fiel.


Um cristão não pode apoiar com seu voto um candidato comprometido com o aborto:

– ou pela pertença a um partido que obriga o candidato a esse compromisso (é o caso do PT)

– ou por opção pessoal.

==

Anápolis, 12 de julho de 2010.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz.

[1] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, n. 76.

[2] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, n. 75."

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Quanto tempo é necessário viver para se tornar inesquecível?






Heather e Patrick Walker são um jovem casal que recebe com total felicidade a notícia de que eles iam ser pais, um terceiro filho estava a caminho e seria um menino. A ilusão da gravidez encheu de felicidade para a mulher que esperava ansio...samente a seu pequeno, mas a história tomou um rumo inesperado quando, depois de testes em 16 semanas de gestação os especialistas informaram os futuros pais que seu pequeno sofria de anencefalia, uma doença congénita que impediria sobreviver após o nascimento.




A família teve tempo para se acostumar com a idéia de que pelo menos compartilhariam o tempo de gestação com seu pequeno e o dia do seu nascimento seria um grande evento onde também teriam a oportunidade de dizer adeus a ele. Por isso, contactaram uma organização sem fins lucrativos chamada "Now I Lay Me Down To Sleep" para que um fotógrafo profissional participasse do nascimento da criança e registrasse as imagens deste dia especial, para nunca mais esquecê-lo e vivê-lo da maneira mais íntima e amorosa possível .


O bebê nasceu em 15 fevereiro de 2012 em Memphis Tennessee, recebeu o nome de Grayson James Walker e viveu apenas oito horas após o nascimento. O pequeno sofria de uma doença congênita que dá poucas expectativas de vida, pois a anencefalia é uma doença congênita que afeta o cérebro e a configuração individual dos ossos do crânio que rodeiam a cabeça. No entanto, o tempo em que ele viveu após o nascimento foi um dom da vida que os seus pais aproveitaram para ter momentos mais que especiais com seu filho, já que tiveram a oportunidade de beijá-lo, abraçá-lo e dar-lhe o seu primeiro banho juntos no quarto do hospital .

Toda a história é comovente e reflete um amor eterno desses pais pelo seu bebê, por isso é difícil entender por que depois Heather foi censurada quando fez o upload (a postagem) de imagens do seu pequeno já falecido para o Facebook a fim de compartilhar com suas famílias e amigos, todo o álbum de fotografias foi deletado sem aviso ou explicação e, em seguida, a sua conta pessoal na rede social foi fechada e apagada. A mulher explica:


"Pouco depois o Facebook apagou as fotos, devido ao conteúdo. Eles permitem que as pessoas postem fotos quase nuas, palavrões e outras coisas, mas eu não estou autorizada a compartilhar uma foto da bela criação de Deus".

As políticas desta comunidade virtual indicam que se deve respeitar certas normas da comunidade, por isso podem remover as informações consideradas ofensivas nas categorias de nudez e pornografia, violência gráfica, discurso de ódio, flagelação, violência, intimidação e ódio, invasão de privacidade, propriedade intelectual, material indesejado, é por isso que os pais não entendem dentro de qual dessas categorias podem ser colocadas as fotos do menor de seus filhos, algo que os entristeceu profundamente já que tinham a intenção de que a maior quantidade possível de pessoas soubessem que seu filho passou por este mundo.



Nas palavras de seu pai :


"Meu filho viveu por quase oito horas, e fez nesse curto espaço de tempo o que eu jamais poderia ter feito mesmo em uma centena de vidas. Isso é incrível. "


Traduzido por Murah Rannier Peixoto Vaz

Texto extraído de: http://pequelia.es/75975/facebook-censura-a-una-madre-que-subio-fotos-de-su-bebe-con-anencefalia/






quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Ipameri - Seu povo, sua história...

Isaías Alves de Holanda

Texto de Wanda Holanda e João Holanda, a quem agradecemos a disponibilidade em ceder-nos as fotos e estas preciosas informações.
 
 
O jovem ISAÍAS ALVES DE HOLANDA, natural do Maranhão, deslocou-se para a antiga capital, cidade de Goiás (“Goiás Velho”), constituindo família naquele município. Posteriormente, partiu dali com o 6º BC, quando de sua transferência para a cidade de Ipameri. A maior prova que a família já estava no começo da década de 20 em Ipameri são seus filhos, ainda vivos, que ali nasceram: sua filha Dulce, nasceu em 1923 e seu filho, o Arquiteto aposentado João de Holanda, em 1926.
Provalvelmente, se trate da chegada das tropas do 6º B.C.

 
 
Como era militar, Isaias constantemente era transferido e a família sempre que podia o acompanhava. De tal modo, no fim da década de 20, residiram em Avaré (cidade do interior de São Paulo); logo após, Isaías foi sozinho para o Rio de Janeiro para fazer um curso; mais tarde, foi transferido para Lorena (Vale do Paraíba- São Paulo), para servir no 5º RI, ali permanecendo sem seus familiares. Nesta época, aconteceu a Revolução Constitucionalista de 32, onde combateu por São Paulo. Curiosamente, do outro lado estava seu irmão, Vitor de Holanda, que fazia parte da banda do 6º BC, defendendo a Federação. Felizmente, nada aconteceu aos dois. Em 1933, Isaías continuou residindo em Lorena, mas agora com toda a família reunida. Na década de 40, Isaías entrou para a reserva e voltou a residir em Ipameri. Entretanto, em princípios de 1943 voltou à ativa, no quadro de Auxiliar de Oficiais. Agora como Tenente, deixa em definitivo a cidade de Ipameri para servir na 7ª CR, localizado em Goiânia, a nova capital goiana. Mais tarde, vai para São Paulo onde falece na década de 60.

A mãe de Isaías era Amélia Alves de Holanda, natural do Ceará, tendo falecido na década de 40 em Ipameri. Isaías era casado com Benedita Alves de Holanda, natural da cidade de Goiás, cujo sobrenome de solteira era Bastos. Isaías e Benedita tiveram os filhos: Wilson, nascido na cidade de Goiás, e que faleceu aos 22 anos de idade, Dulce e João que residem em Sorocaba - São Paulo.

Dona Benedita tinha uma grande amiga em Ipameri, cujo nome era Nagibe Daher, inclusive faz parte do acervo do Arquiteto João de Holanda, uma foto com dedicatória, onde aparecem além de Dona Nagibe, seu marido Serafim e o filho José; a foto é de Goiânia, ano 1958, pois ela também como Dona Benedita (apelido Nenê), havia se mudado para lá. Foi de sua mãe, Benedita, que o Arquiteto João de Holanda herdou um álbum bem antigo, sendo que posteriormente todas as fotos foram passadas para um novo. Essas fotos estavam agrupadas por local (dificilmente há anotações nas fotos), mas por estarem agrupadas é que a foto da “pedra fundamental”, salve melhor juízo, é relacionada com Ipameri.
Lançamento de pedra fundamental em Ipameri. Desconhece-se do que se trata.
O 1º à esq. é João Holanda e seus amigos do curso do Ginásio de Ipameri.

 
Casa em que a família residiu em Ipameri.






 
 

segunda-feira, 22 de julho de 2013

POR UM BRASIL SEM ABORTO



 
Murah Rannier Peixoto Vaz





As feministas se dizem a favor dos direitos das mulheres, mas são também a favor do aborto. Ora, que incongruência é essa? Mundo afora grande parte dos abortos são realizados logo depois que o médico dá a notícia: “É uma menina”. Em todo o mundo, milhares de bebês são abortados nos ventres de suas mães simplesmente por serem do sexo feminino. Apenas na índia foram 50 milhões só por serem mulheres.


Uma pesquisa do Banco Mundial aponta que: “(...) a cada ano são praticados 1,5 milhão de abortos seletivos de meninas (...)”. Ainda assim, o movimento feminista luta para afirmar que o aborto é um direito das mulheres e se esquece dos direitos das mulheres que ainda não nasceram. Outro fator esquecido é que o aborto ao final das contas é uma ação de efeito duplo, onde, além do agredido (criança abortada), o agressor (a mãe) também se torna uma vítima com sérias conseqüências psicológicas que lhe acompanharão enquanto bloqueios e traumas para o resto de sua vida.

 

Muitas mulheres notam e notaram no decorrer dos tempos esse pseudo-discurso, a hipocrisia e o desvio ideologico do atual movimento feminista. Uma das mais proeminentes e famosas é Margareth Thatcher. Essa mulher ocupou um dos mais altos postos de governo do mundo, como primeira ministra britânica. Nem por isso endossou, aprovou ou aliou-se aos ideais do movimento feminista por perceber suas falácias.

 

Infelizmente, o movimento feminista é um dos grandes defensores do aborto e opositores do movimento pró-vida e isso deve ser conhecido e reconhecido por todos que fazem parte do pró vida. Gianna Jessen que o diga. Sobrevivente de um aborto realizado através da injeção de um ácido a base de sal e que envenena o bebê que o engole, além de provocar queimaduras na pele. Quando a mãe de Gianna tentou abortá-la ela estava com 7 meses e mesmo prematura, com algumas queimaduras na pele, conseguiu sobreviver do aborto químico e teve mais sorte que outros, pois acabou não sendo jogada no lixo ou assassinada como ocorre com muitos que sobrevivem. Desse modo, Gianna teve a chance de viver e bradar contra esse crime injusto e inconseqüente que se chama ABORTO, além de demonstrar a mentira daquelas que se dizem defensoras do direito das mulheres.


 Mas o que ocorre quando se apresenta um projeto como o do “Estatuto do Nascituro”, que visa dar possibilidades de acesso a psicólogos para mulheres violentadas, de auxílio financeiro àquelas que queiram ter seus filhos e garantir um projeto sério para disponibilização de bebês para adoção daquelas que quiserem levar a gestação até o fim, mas não querem criar os bebês? Infelizmente, uma pequena parcela inicia um inflamado e falso discurso ideológico. Deturpam o verdadeiro teor do projeto, falam e esbravejam sobre o projeto como se ele fosse um mal para as mulheres. Mas a maioria nem sequer teve a honestidade de lê-lo, pois fica óbvio que muitos não leram o projeto e o desconhecem totalmente, tal as falas que às vezes expõem nas mídias sociais. 

 

Continuemos lutando contra a PLC 03/2013 que sorrateiramente visa aprovar o aborto em nosso país, mas também a favor do Estatuto do Nascituro. Já que existe o Estatuto da Criança e do Adolescente, o Estatuto do Idoso e recentemente foi aprovado o Estatuto da Juventude, porque não o Estatuto do Nascituro? A vida deve ser defendida e ter os seus direitos e sua dignidade próprias garantidas em todas as instâncias e estágios da vida humana.

Por isso faço um convite: EI, JUVENTUDE FEMININA...

Não tenha medo, vergonha ou receio de defender a vida e de acreditar no direito de viver que tem todo ser humano, inclusive o nascituro.

 

 

BIBLIOGRAFIA

Discurso de Gianna Jessen – Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=NrIG_pOom10


Veja mais sobre quem é Gianna Jessen: http://es.wikipedia.org/wiki/Gianna_Jessen



Página no facebook de Gianna Jessen: https://www.facebook.com/pages/Gianna-Jessen/66792595148

Mulher questiona senadores brasileiros sobre o aborto: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=N08kBi6EHps







 

 


sexta-feira, 19 de julho de 2013

CAUSA E EFEITO





Murah Rannier Peixoto Vaz

Sob um exemplo simples observado, como o ato de empurrar (causa inicial da aceleração) um objeto, e este se locomover no tempo e espaço, até que sob a força de atrito este pare e venha a encontrar repouso, observamos que para que o objeto viesse mover-se foi preciso que houvesse algo que o impelisse, uma força que causasse a impulsão. Por outro lado, ao mesmo tempo encontramos uma força contrária, o atrito (causa final da aceleração), que faz com que o objeto venha a fazer uma desaceleração a partir do momento em que foi impelido. Se tudo o que existe tem uma causalidade, não teria também o mundo uma força que o tivesse impelido a ser como é? Haveria uma causa inicial e final neste caso também?

Um bom exemplo nos é dado por Voltaire (provavelmente influenciado pelo pensamento Cartesiano). Para ele, ao olharmos uma máquina supomos que exista um mecânico, e que ao olharmos um relógio, com toda a complexidade de peças, engrenagens, parafusos e tudo o mais que nele há, também supomos que alguém o fez. Portanto, o relógio é uma prova inquestionável de que há o relojoeiro.

Alguns diriam: _A tese de que aquilo que existe veio de um Deus pessoal já é ultrapassada, sabemos que o mundo surgiu ao acaso a partir do big-bang, e daí a alguns milhares anos depois surgiu a vida a partir da evolução de minúsculos seres, até chegarmos aos peixes e passando pelos répteis, progressivamente chegando aos mamíferos e então aos primeiros hominídeos que de uma hora para outra, desenvolveram-se ao ponto, de adquirirem a razão. Curiosamente nessa mesma afirmativa aparece um pequeno e determinante detalhe: segundo alguns afirmam, somos primos dos macacos, temos ancestrais comuns e, mesmo assim, somos e agimos de formas tão diferentes. Não seria tudo isto obra de Deus, algo planejado, ou seja, idéia do próprio criador? Afirmar que a causa de tudo é o acaso é o mesmo que fazer adesão de fé ao nada.

Outros questionarão: _Ah, mais os religiosos não dizem que não condiz evolução com criação? Alguns sim, pois não compreendem o Gênesis, não interpretam a poesia da alegoria do Gênesis e fecham-se num pensamento que não abrange a totalidade. Esse não é o pensamento de todos e nem o da Igreja.



Sendo assim, Deus cria do nada uma matéria informe e a ela molda e dá forma. E isto Ele faz na mobilidade e mudança das coisas que é o que nos dá a possibilidade de perceber este espaço e tempo em que estamos inseridos. Segundo Agostinho, a mutabilidade não pode vir de Deus, pois Ele não pode ser e não ser ao mesmo tempo, pois é o Imutável e sua substância jamais varia com o tempo. A vontade de Deus vem de sua substância,

deste princípio deduz-se que Deus não quer ora isto, ora aquilo, mas que o que uma vez quis, simultaneamente e para sempre o quer. Não pode querer repetidas vezes nem querer agora uma coisa e logo outra, nem querer depois o que antes não queria ou deixar de querer o que queria, porque tal vontade sendo mutável, não é eterna; ora, o nosso Deus é eterno.

Entretanto, também segundo Agostinho, não pode haver tempo sem a variedade de movimentos: “Deus (...) não criou o mundo por um novo ato de vontade, e (...) nem a sua ciência pode sofrer alguma transição.” Sabendo disso como podemos compreender então, um mundo onde as coisas mudam?

Os evolucionistas concebem que tudo está em mutação, os religiosos cristãos dizem que tudo já foi criado desde o princípio e, assim, não admitem a evolução das espécies darwinista. No entanto, apesar de não ser aceita a evolução tal qual apresenta Darwin, a partir do proposto por Agostinho (grande pensador e santo cristão), há a possibilidade de se afirmar uma espécie de evolucionismo aceito por cristãos. Segundo esse viés agostiniano, permanece a imutabilidade, a qual fica contida nas razões seminais (rationes seminales), onde, de fato, tudo já foi criado no princípio, mas está para vir à tona. Pois, como uma semente que espera para germinar e se tornar uma planta, assim estão os germens que o criador colocou na natureza, desta forma pode se traçar um paralelo entre evolução darwinista e criação cristã. Com este pensamento, já na criação tudo o que há e está por vir a ser, já foi criado, pois está desde o princípio nas idéias de Deus ou projeto divino, e contido como germens prontos para brotar em seu devido momento.

Seguindo esta linha de raciocínio, ao pensar sobre o ser humano, nos deparamos com a mesma questão que indagou Pascal:

Que é o homem na natureza? É nada em relação ao infinito, é tudo em relação ao nada, algo de intermediário entre o nada e o tudo. Infinitamente distante de poder abraçar os extremos, o princípio e o fim das coisas lhe estão irremediavelmente ocultos em um impenetrável segredo, pois ele é igualmente incapaz de ver o nada do qual foi extraído, e do infinito pelo qual foi engolido.

Ou seja, vemos aqui a miséria e a grandeza do homem, sua grandiosidade em meio ao mundo, mas ainda assim um “caniço pensante”, que por pensar, torna-se grande e tornando-se grande percebe e reconhece sua pequenez, diante daquele que é infinitamente maior que ele.

Como se percebe, o mundo não surgiu de um nada ao acaso. É mais razoável e crível crer que o mundo foi feito pelo Criador Ex Nihilo (do nada), mas não que já tenha feito todas as coisas como são hoje. Seguindo o que fora dito por Agostinho, é possível conceber o big-bang e um possível evolucionismo, não tal qual o de Darwin, mas um evolucionismo que faz com que as coisas venham a ser outras, as quais não eram. Mas isto, somente a partir da concepção de criação total, pronta e acabada nas idéias Eternas de Deus, onde estão inseridos os germens, ou como diria Aristóteles a potência, e sendo tudo isto operado por Deus, artífice e razão de nossa subsistência. Considerando, no entanto, que esse mesmo Ser que é a causa, criador e princípio de tudo, é incausado, incriado e eterno, ou seja, sem um princípio, sem causa e que existe fora do tempo. Diria Aristóteles que Deus é o “motor imóvel” que move todos os outros motores.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Aborto e Excomunhão

Aborto e Excomunhão
20 de maio de 2004
Qualquer católico que obstinadamente nega que o aborto é sempre gravemente imoral, comete o pecado de heresia e incorre em uma sentença de excomunhão automática.
 
Direito Canônico e Ensino da Igreja
Canon 1398: "Uma pessoa que adquire um aborto concluído incorre em excomunhão latae sententiae".
Canon 751: "A heresia é a negação obstinada ou dúvida pertinaz, após a recepção do batismo, de alguma verdade que se deve crer com fé divina e católica, a apostasia é o repúdio total da fé cristã; cisma é a recusa de submissão ao Supremo Pontífice ou de comunhão com os membros da Igreja a ele sujeitos. "
Cânon 1364 § 1: "um apóstata da fé, um herege, ou um cismático incorre em excomunhão latae sententiae".
A frase "latae sententiae" significa um julgamento ou sentença que é "grande" (latae) ou amplamente aplicado, que se refere a um tipo de excomunhão, que é automática. Essa sentença de excomunhão é incorrida "pela própria prática da infração" (CCC 2272) e não exige que o futuro julgamento particular de um caso pela autoridade competente.
Apostasia, heresia e cisma são todos os crimes que implicam uma sentença de excomunhão automática. Heresia é a negação obstinada de qualquer verdade da fé católica, em uma questão de fé ou moral, que foi definitivamente ensinada pelo Magistério. O Magistério tem repetidas vezes e definitivamente ensinou que o aborto é sempre gravemente imoral. (CCC 2270 to 2275).
O Papa João Paulo II, Evangelium Vitae, n. 57: "Portanto, com a autoridade que Cristo conferiu a Pedro e aos seus Sucessores, em comunhão com os Bispos da Igreja Católica, confirmo que a morte direta e voluntária de um ser humano inocente é sempre gravemente imoral. Esta doutrina, com base em que lei não escrita que o homem, à luz da razão, encontra no próprio coração (cf. Rm 2:14-15), é confirmada pela Sagrada Escritura, transmitida pela Tradição da Igreja e ensinada pelo Magistério ordinário e universal ".
 
Obtenção de um aborto
Qualquer católico que deliberadamente e conscientemente obtém um aborto provocado comete um pecado mortal e também está automaticamente excomungado, sob cânon 1398.
Sob as leis da sociedade secular, se uma pessoa comete um crime, qualquer pessoa que deliberada e conscientemente fornece meios essenciais ou substanciais para que a pessoa a cometer esse crime é chamado de um acessório para o crime e também está sujeito às penas da lei. Da mesma forma, qualquer católico que deliberadamente e conscientemente fornece meios essenciais ou substanciais para qualquer mulher a um aborto também comete um pecado mortal e também incorre na mesma pena de excomunhão.
Qualquer católico que auxilia substancialmente outro no pecado deliberado do aborto também é culpado de pecado grave e também incorre em excomunhão latae sententiae.
 
Acreditar em aborto
Qualquer católico que obstinadamente nega que o aborto é sempre gravemente imoral comete o pecado de heresia. Infelizmente, alguns católicos obstinadamente negar que o aborto é sempre imoral, e alguns católicos dizem que o aborto pode, às vezes, ser uma escolha moralmente aceitável, e alguns católicos afirmam que uma pessoa pode, em sã consciência, optar pelo aborto. Nos termos do Código de Direito Canônico da Igreja Católica Romana, cânones 751 e 1364, todos esses católicos são automaticamente excomungados pelo pecado de heresia.
Esta sentença de excomunhão latae sententiae se aplica a qualquer católico que nega que o aborto é gravemente imoral, independentemente de manter essa negação escondido ou revelá-la publicamente.
 
Promoting Abortion Promover o aborto
Os católicos que anunciar publicamente a sua negação de que o aborto é sempre gravemente imoral, ou que promovem publicamente o aborto, ou que defendem publicamente em favor da legalização do aborto, também cometer um pecado mortal e também suportar uma sentença de excomunhão automática.
Essa sentença de excomunhão se aplica aos católicos que são políticos, bem como para os católicos, que são comentaristas políticos ou alto-falantes públicos, ou que escrever ou comunicar publicamente a sua visão equivocada de que o aborto pode ser moralmente aceitável ou que o aborto deve ser legal. Essa sentença de excomunhão também certamente se aplica aos católicos que se dizem teólogos ou estudiosos da Bíblia, mas quem acreditar ou ensinar que o aborto não é sempre gravemente imoral.
Primeiro, eles caíram no pecado de heresia por acreditar que o aborto não é sempre gravemente imoral (cânones 751 e 1364). Em segundo lugar, esses católicos estão fornecendo ajuda substancial para as mulheres obter abortos por influenciar as políticas públicas para fazer o aborto legal, e para manter o aborto legal, e para ampliar o acesso ao aborto. Aqueles que prestam essa assistência substancial cometer um pecado mortal e incorrer em pena de excomunhão automática (cânon 1398).
Votaram a favor do aborto
Qualquer político católico que vota com a intenção de legalizar o aborto, ou de proteger as leis que permitem o aborto, ou de ampliar o acesso ao aborto, comete um pecado mortal.
Quando tal voto indica que o político católico acredita que o aborto não é sempre gravemente imoral, como um político incorre numa pena de excomunhão automática, sob os cânones 751 e 1364, por causa de heresia.
Quando esse voto se destina a ter o efeito de fazer o aborto legal, ou mais fácil de se obter, ou, mais amplamente disponível, tal político incorre numa pena de excomunhão automática, sob cânone 1398, como alguém que está tentando fornecer os meios substanciais ou essenciais para as mulheres obter abortos. Políticos católicos que aprovam leis que legalizam, proteger ou alargar o acesso ao aborto, estão a prestar assistência essencial para as mulheres que querem obter abortos.
Não é suficiente para os políticos católicos afirmarem que eles são "pessoalmente contra" o aborto. Se qualquer político católico favorece a legalização do aborto, apesar de um pedido de oposição pessoal, tal um político comete um pecado mortal, promovendo o aborto e, votando a favor do aborto.
O mesmo é verdadeiro para qualquer católico que lança qualquer voto com a intenção de legalizar o aborto, ou de proteger as leis que permitem o aborto, ou de ampliar o acesso ao aborto. Tal eleitor comete um pecado mortal e incorre numa pena de excomunhão automática por dois motivos. Primeiro, eles estão cometendo o pecado de heresia por acreditar que o aborto deve ser legal e disponível. Em segundo lugar, eles estão cometendo o grave pecado de proporcionar às mulheres com uma ajuda substancial ou essencial na obtenção de abortos, tentando legalizar ou ampliar o acesso ao aborto.
No entanto, se, por um período de tempo, os políticos e os eleitores católicos são incapazes de promulgar uma lei que proíbe todos os abortos, então os políticos católicos e os eleitores podem, em boa consciência, votar em qualquer lei oferece as maiores restrições e limites sobre o aborto. Posteriormente, os políticos e os eleitores católicos são obrigados pela lei moral para continuar a aprovar novas restrições e limites sobre o aborto, na maior medida possível, e, em cada oportunidade possível, votar leis que completamente fora da lei do aborto.
 
A votação para políticos
Em geral, a lei moral requer que os eleitores católicos a votar para os candidatos que se opõem ao aborto sobre aqueles que são a favor do aborto. No entanto, existem excepções a este princípio geral. Por exemplo, se um candidato político favorece o aborto, mas é um membro de um partido que geralmente se opõe ao aborto, um eleitor católico pode, em boa consciência, votar para que o candidato, com a intenção de dar mais poder político para o partido que se opõe ao aborto .
Em outro caso, um eleitor católico pode, em boa consciência, votar em um candidato pró-aborto, se o cargo político que não oferecem oportunidade para que o candidato eleito para votar a favor ou contra o aborto. Mesmo assim, cada eleitor católico deve considerar que qualquer um que apoia o aborto, como se fosse um direito da mulher, ou como se ele jamais poderia ser uma escolha moral, deve ser necessariamente alguém que tem uma compreensão seriamente limitado de moralidade e justiça. Tal pessoa não seria muitas vezes o melhor candidato a qualquer cargo no lugar de alguém que entende que o aborto é gravemente imoral.
Em cada caso, um Católica votarem tal forma a obter-se o maior número de restrições ao aborto quanto possível, e de modo a obter o fim do aborto legalizado o mais rapidamente possível.
 
Emenda constitucional
Dentro de qualquer forma de governo constitucional, seria ideal ter uma cláusula constitucional ou emenda que permanentemente e totalmente fora da lei todos os abortos adquiridos. Tal alteração deve proibir todos os abortos, independentemente das circunstâncias, de modo que a morte direta e voluntária de um ser humano inocente pré-natal será sempre contrária à lei humana, tal como ela é sempre contrária à lei moral.
Uma emenda constitucional pode permitir que determinados procedimentos médicos, que são absolutamente necessárias para salvar a vida da mãe, e que resulte indiretamente a morte não intencional e unsought do pré-natal, se não há nenhuma maneira possível para salvar a vida do pré-natal. A pré-natal é definida como qualquer ser humano desde a concepção até o nascimento humano. Todos os esforços possíveis devem ser feitos para salvar a vida da mãe e do pré-natal. Se a vida do pré-natal pode ser salvo por nenhuma outra opção possível que, arriscando ou permitir a morte da mãe, em seguida, o pré-natal deve ser salvo.
Doutrina católica permite claramente para certos procedimentos médicos, que de forma indireta e involuntariamente resultar na morte do pré-natal, para salvar a vida da mãe, mas só quando todas as opções para salvar a vida do pré-natal foram esgotados. Um tal procedimento não é um aborto e não é uma excepção uma vez que o aborto não é querido.
Por outro lado, uma emenda constitucional que proíbe o aborto com exceções para vários casos, como estupro, incesto ou risco à vida da mãe, seria pior do que não ter tal alteração em tudo.
Qualquer mulher que esteja disposta a cometer o pecado do aborto, também seria disposto a mentir. Se uma emenda constitucional permitido o aborto em casos de estupro, então qualquer mulher disposta a mentir e falsamente afirmam que ela foi estuprada, seria capaz de também afirmam que ela tinha o direito constitucional ao aborto. O resultado seria que uma emenda constitucional, que parece proibir o aborto com algumas exceções, acabaria por dar a cada mulher que está disposta a contar uma mentira, um direito constitucional suposto aborto. Esta situação seria pior do que não ter como emenda constitucional em tudo.
Portanto, a emenda constitucional pró-vida só é aceitável seria aquele que, de acordo com a doutrina católica, proíbe todos os abortos adquiridos, sem exceção.
--Por Ronald L. Conte Jr.